Corte de Honra

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Um dia, em meados de Junho de 1907, aquele que seria o primeiro chefe escoteiro do mundo sentou-se e escreveu uma carta para alguns de seus velhos amigos do exército e suas esposas, pais de meninos, alunos de Harow, Charterhouse e outras grandes e selecionadas escolas inglesas entre 11 e 12 anos de idade e em início da adolescência.

"Eu proponho", escreveu ele, "fazer uma acampamento com 18 meninos escolhidos para aprender "scouting" por uma semana nas férias de agosto... O acampamento, por gentil permissão de C. Van Raalte, será realizado na Ilha de Brownsea...".

Como qualquer chefe escoteiro depois dele, continuou sua carta destacando o adestramento que pretendia dar aos meninos e assegurando aos pais que "todo o alimento, cozinha, higiene, etc..., seria cuidadosamente observado". Incluiu uma lista de roupas e do material necessário para acampar. Pediu que cada menino viesse para o acampamento sabendo o uso de três nós simples - nó direito, escota e volta do fiel - e providenciassem esboços dos nós que pudessem não saber.

Em conclusão ele escreveu: "Se você deseja enviar seu filho para o acampamento nestas condições, por favor avise-me e enviarei detalhes de como treiná-los, etc.". R.S.S.B-P.

Poucos dias mais tarde, em 17 de junho de 1907, ele enviou convites semelhantes para as Companhias das Brigadas de Meninos de Bournemouth, para escolher 6 de seus membros, e para as Brigadas dos Meninos de Poole, 3 de seus membros, para juntar-se a ele, meninos de escolas secundárias, meninos de fazendas, filhos de famílias da classe operária.

Os convites para ir acampar com o famoso general Robert Stephenson Smyth Baden Powell foram aceitos com entusiasmo. Quem não gostaria de passar uma semana com o "Herói de Mafeking" - o apelido que Baden Powell ganhou como defensor da sitiada Mafeking durante a guerra dos Boers, na virada do século!

O número original de 18 foi excedido. Após pensar bem, Baden Powell decidiu incluir seu primo órfão de 9 anos para atuar como seu ajudante. Ele convidou um de seus velhos companheiros de armas, o Major Keneth McLaren para que o acompanhasse como assistente.

Na noite de 31 de julho de 1907 todos os participantes do que seria o primeiro acampamento escoteiro do mundo reuniram-se na Ilha de Brownsea. No outro dia, 1o de agosto, e pelos sete dias seguintes, Baden-Powell trabalhou com os meninos, testando o que ele chamou de "Método Escoteiro". Em 9 de agosto os mandou para casa, satisfeito com os resultados positivos de seu método.

O método funcionou, não somente para os meninos de Brownsea, mas para milhões que seguiram os seus passos desde 1907.

 

 Por William Hillcourt, autor de "Baden Powell - The Two Lives of a Hero" 

Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela inativa

Fundador e Escoteiro Chefe Mundial, Robert Stephenson Smith Baden Powell, também conhecido como B.P., nasceu em Londres, Inglaterra, em 22 de Fevereiro de 1857.

A infância de B.P., como sempre recordava, era uma época muito feliz, embora tenha perdido o pai com apenas três anos de idade. Encontrou na mãe e nos outros seis irmãos a felicidade e a força necessária para continuar sorrindo.

Nos primeiros anos de escola, B.P. já se destacava entre os alunos de sua escola, Charterhouse, pela sua inteligência, bom humor, companheirismo e também como bom músico, sabendo tocar piano, violino e flauta. Tornou-se mais popular depois que conquistou a vaga de goleiro da equipe de futebol de seu colégio.

Aos 19 anos de idade, ingressou no exército , sendo logo destacado para o Afeganistão. Em 1887 ganhou dos nativos africanos, o apelidao de "Impisa", o lobo que nunca dorme, devido a sua grande capacidade, coragem e pericia como explorador.

No ano de 1899, B.P. é destacado para defender a cidade de Mafeking, no coração da Africa do Sul. A importância desta cidade era grande, pois se localizava num grande entroncamento ferroviário,vital para o abastecimento das zonas de conflitos.

Com poucos soldados, B.P. teve a idéia de treinar todos os cidadãos possíveis para auxiliá-lo na guerra. Treinando jovens para ajudar na cozinha, no transporte de mensagens, nos primeiros socorros, e serviços mais leves, B.P. conseguiu manter o dominio de Mafeking até a chegada de reforços.

Com as vitórias em suas campanhas, B.P. foi promovido para o posto de major general, sendo considerado herói nacional.

Tentando explicar a tática utilizada na guerra, B.P. escreve o livro "Aids to Scouting", vendido posteriormente para as mais diversas pessoas, de diferentes idades.

O livro passou a ser usado inclusive em escolas masculinas, o que despertou o interesse por parte de B.P. em desenvolver atividades voltadas para rapazes. Para avaliar o real interesse dos jovens, organizou um acampamento com 20 jovens, em 1907, na ilha de Brownsea, no canal da Mancha. Os jovens foram agrupados em 4 patrulhas.

Após o sucesso do primeiro acampamento escoteiro, B.P. viu a necessidade de escrever um livro direcionado para jovens, então, nos primeiros meses de 1908, lançou em seis fascículos quinzenais o seu manual de adestramento; "Escotismo para Rapazes". A partir deste momento, o escotismo não parou mais de crescer, apareceram patrulhas pelo mundo inteiro. Tanto cresceu que em 1910, B.P. compreendeu que dedicaria a sua "segunda vida" ao Escotismo, pedindo seu desligamento do Exército.

Em 1920 escoteiros de todas as partes do mundo se reuniram em Londres para a primeira concentração mundial de escoteiros; o primeiro Jamboree Mundial.

Na ultima noite deste Jamboree, em 6 de Agosto, B.P. foi proclamado "Escoteiro Chefe Mundial".

No dia em que o movimento escoteiro completou 21 anos de idade, B.P. recebeu do rei Jorge V a honra de ser elevado a Barão, tornando-se assim, Lord Baden Powell of Giwell.

Chegando ao limite de suas forças, após completar 80 anos de idade, B.P. e sua esposa, Lady Baden Powell, regressaram para África, onde se fixaram no Quênia, e foi nessa cidade que B.P. deu seu último supiro, enquanto durmia, faltando um pouco mais de um mês para completar 84 anos de idade.

B.P. se despedia da vida deixando para trás uma história e um legado incalculável, na qual milhões de escoteiros e jovens se inspiram até hoje. 

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

1857 - Nasce em 22 de fevereiro.

 

1869 - É aprovado no exame para ingresso no Colégio Charterhouse.

 

1876 - É aprovado no exame para o exército e incorpora-se ao 13º Batalhão de Hussardos, na Índia.

 

1889 - Nomeado Oficial de Inteligência para a área do Mediterrâneo.

 

1896 - Promovido a Tenente – Coronel, é nomeado assistente do General Frederico Craniano na campanha contra os matabeles.

 

1897 - Nomeado Comandante do 5a Batalhão De Dragões da Índia.

 

1899 - Publicado " Aids to Scouting", Guerra do Bôeres e Cerco de Mafeking.

 

1900 - Promovido a General, Organiza a Guarda Sul – Africana.

 

1903 - Nomeado Inspetor Geral da Cavalaria. Assistente à demonstração da Brigada dos Meninos.

 

1906 - Prepara o primeiro esboço do método escoteiro.

 

1907 - Acampamento experimental na Ilha Brownsea.

 

1908 - Publicação "Escotismo para Rapazes".

 

1911 - O Rei George V passa em Revista os escoteiros em Windsor.

 

1912 - Casa–se com Olave Saint Clair Soames. O boy Scouts Associatiom é reconhecida oficialmente.

 

1914 - Início da I Guerra Mundial; mobilização de escoteiros para a Guarda Costeira e outros serviços.

 

1918 - Lady Baden – Powell é nomeada bandeirante – Chefe.

 

1919 - Primeiro Curso da Insígnia de Madeira, em Gilwell Park.

 

1920 - Primeiro Jamborre Mundial, em Olywpia. É aclamado Escoteiro Chefe Mundial.

 

1921 - Viagem à Índia. Agradeciado com o titulo de Borenete.

 

1922 - Publicado "Caminho para o Sucesso".

 

1923 - Viagem ao Canadá e Estados Unidos. Recebe a Grã – Cruz da Ordem de Victória.

 

1924 - Jamborre do Império em Wembley. Segundo Jamborre Mundial, em Copenhaguem.

 

1926 - Viagem à África do Sul.

 

1929 - Terceiro Jamborre Mundial, em Arrowe Park, Inglaterra. Recebe o titulo de Barão Baden – Powell de Gilwell.

 

1933 - Quarto Jamborre Mundial, em Godolfo, na Hungria.

 

1934 - Primeira Missa dos Escoteiros, no Dia de São Jorge.

 

1935 - Viagem ao Canadá.

 

1936 - Comparece ao Jamborre Sul – Africano.

 

1937 - Recebe a Ordem de Mérito.

 

1938 - Muda – se para o Quênia.

 

1941- Morre em 08 de Janeiro.

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

A maioria dos escoteiros sabe que a flor-de-lis é o símbolo do Escotismo, mas poucos saberão responder porque esta flor foi escolhida. Se você é um desses, conheça agora a sua história dessa escolha.

Escolhida por Baden Powell, a flor-de-lis apareceu pela primeira vez como símbolo do Escotismo em 1907. Desenhada na cor amarelo-ouro, no centro de uma bandeira verde, foi hasteada ao lado da bandeira inglesa no primeiro acampamento escoteiro realizado em Brownsea, no Canal da Mancha, Inglaterra.

Mas por que uma flor teria sido escolhida por Baden Powell como símbolo do Movimento por ele criado? Antigamente, a flor-de-lis era desenhada nas cartas náuticas para indicar o norte na rosa dos ventos. Ao observar essas cartas, Baden Powell chegou à conclusão de que a flor-de-lis representava o sentido de direção; e era exatamente esse sentido que ele idealizava para o Escotismo.

Hoje a flor-de-lis representa o Escotismo, identificando todos os países que pertencem à Fraternidade Mundial. A fim de distinguir uma nacionalidade da outra, muitas vezes o emblema nacional é colocado junto à flor-de-lis. No Brasil, o Selo da República, com círculo de estrelas e o Cruzeiro do Sul é usado para esse fim. Sob a flor-de-lis há uma faixa com o nosso lema: Sempre Alerta! Sob a faixa, há um nó, cujo objetivo é lembrar a boa ação diária que devemos fazer em benefício de alguém, sem outra recompensa que a de nos sentirmos úteis.

A simbologia da flor-de-lis é toda ela baseada em valores como fraternidade, dever para com o próximo e união. A propósito, as pétalas que a compõem representam os três dedos da saudação escoteira, que lembram os deveres do Escoteiro para com Deus, para com os outros e para consigo mesmo. Ilustrando o distintivo de maior graduação no escotismo – Escoteiro da Pátria, a flor-de-lis representa o ideal de vida de todo Escoteiro e resume, em sua imagem, os valores de excelência na vida profissional, no relacionamento com as pessoas, enfim, em todas as atitudes que refletem seu caráter íntegro e humanitário.

Mas a flor-de-lis representa também o esforço de FAZER O MELHOR POSSÍVEL, o compromisso de ESTAR SEMPRE ALERTA e a alegria de SERVIR; esses três lemas conjugam os ideais do escotismo mundial em suas diversas etapas.

Nosso hino fala de um futuro de flores para a nova geração, jovial, confiante e forte. Sob a égide da flor-de-lis e com a nossa união, podemos ter a certeza que esse futuro vai chegar.